DA – Capítulo 120 – Maestro da Chacina(1)


A lança na mão de Mythro e sua lâmina corta o corpo do menino ao meio, deixando que a carne mutilada escorresse dos chifres e caísse no chão, sendo pisoteada e entrando em combustão pela energia elétrica e de fogo que Suife deixa ao correr.

A roda atrás do pequeno NOVA gira e seus elementos vão se convergindo em uma bola de energia elemental.

— Tem alguém vindo.

— Pedro não acabou de sair? Ele saiu desmontado não?

— Socorro! Intrus—

O som de uma boca sendo perfurada por metal soa. Os meninos que estavam vigiando o túnel se levantam e pegam suas armas de seus sacos azuis.

Eles se colocam muito próximos um ao lado do outro devido a geografia do lugar, que torna a formação deles em algo amontoado.

Eles já conseguem ver um menino de armadura em cima de um cavalo jovem, em sua adolescência.

Uma bola de energia que oscila em diversas cores está acima de sua mão direita, que também empunha um escudo.

Ele a atira contra eles.

— Escudeiros!

Quatro são os que se apresentam, com escudos sendo invocados de seus sacos azuis. Eles os enterram e energizam. Uma conexão é feita entre os quatro escudos e sua defesa fica ainda maior.

Infelizmente para eles, esta bola de energia não era algo que pudesse ser impedido por escudos de duas estrelas.

O contato é breve, e o som é estrondante. Eles são jogados para trás, arremessando outros contra as paredes.

Seus gritos de dor enchem o túnel. Sua formação quebrada de maneira tão fácil, faz eles ficarem confusos e a hesitar em seus julgamentos.

Um garoto irritado por ver seu amigo no chão com apenas metade de seu braço, investe com sua espada na mão.

— Corte Semicircular!

Uma rajada de Qi é liberada da espada. Um arco de energia voa na direção de Mythro e Suife.

O pequeno NOVA se levanta e colocando os pés no dorso do Cavalo Jade Negra, ele pula e gira no ar.

— Pressão das Eras!

Seu escudo brilha e ele cai batendo o corpo do escudo na cabeça do menino. A gravidade é alterada de forma que a pele macia do menino não pode competir. Ela parte e rasga e o menino cai ao chão.

Parecia que sua pele tinha cansado de seu corpo, ou até mesmo que ela tinha sido derretida.

Com seus três chifres, Suife para facilmente o corte semicircular investido. Ele move sua energia cósmica aos extremos e começa sua própria investida.

Correntes se soltam do trono. Ossos negros belos como jade protraem de suas articulações e uma cena que poderia ser mais comum de ser vista em um açougue do inferno se revela.

Pernas voam com o impacto. Seus donos ainda não entenderam como elas saíram tão rápido de seus corpos.

As correntes com anzóis se prendem em diversas partes dos seus corpos, e quando elas chegam no seu limite, elas voltam para o trono, trazendo pedaços de quem elas fisgaram.

Depois de acumular muito peso nas correntes, Suife gira e começa a distribuir coices e chifradas. Ele se levanta e com suas pernas dianteiras ele estoura e parte cabeças.

Armas como martelos, arcos, lanças, espadas e machados são arremessadas contra ele, mas sua armadura emite uma forte força de expulsão que impede que ele seja tocado.

Claro que isso custava muita energia e não poderia ser mantido por mais de alguns segundos. Para isso, Mythro já aparece do seu lado e sua lança começa a dançar de diversas formas.

Ela sibila, cortando o vento e penetrando gargantas. Ela gira e mutila dois inimigos adjacentes, que preparavam uma emboscada pela frente e por trás do pequeno NOVA.

— O que aconteceu aqui, quem é você?

Mais e mais inimigos aparecem. Alguns agacham para que outros possam se impulsionar para cima com um pulo.

Seus machados descem com uma membrana de energia densa, indicando um feitiço que pode ignorar defesas.

Mythro está com sua lança em uma direção da qual ele simplesmente não conseguirá retomar o cabo para um novo impulso.

Com certeza, uma pessoa não poderia responder a um ataque deste sem largar a lança, e mesmo a deixando as lâminas já estavam prestes a partir ele ao meio.

Mas, ao contrário do que se achava, ele não possuía aberturas.

Uma cauda, não, uma lança… Ambos! Se materializam em uma entidade. Uma pena de pavão completamente negra, com um único ocelo dourado se move e sua ponta corta as gargantas desprotegidas e os machados caem sem chegar mais do que 50cm da atual localização de Mythro.

Ele usa “Imagem Encarnada” do urso e atira a lança contra três que vinham na sua direção. Com a força de um urso, a lança simplesmente faz um espetinho de corpos.

Era: Abolir, é novamente utilizado e quatro morrem deixando apenas pedaços de seus corpos no chão. Mythro abre a boca enquanto Suife o protege, ele começa a engolir todas as almas deixadas pelos mortos.

As táticas dele eram bem simples: Esmagar com poder total os inimigos! Mas o custo de força física e cósmica eram maiores do que qualquer outra tática.

Mythro tinha certeza de que Suife já estava cansado, assim como Grásio e Núbia também deveriam estar. Guardar a entrada deste lado da caverna não deve ser algo simples, os barulhos de uma batalha dentro de uma montanha onde o som pode reverberar alto e claro não será abafado nem mesmo com algumas magias.

Por isso, mesmo que ele já esteja um tanto no limite, ele precisa continuar nesse passo e voltar logo para Grásio e Núbia, antes que eles possam se ferir ou até mesmo serem mortos.

Dentro do primeiro reino, ninguém é páreo para qualquer um dos quatro, mas se colocarmos isso em centenas de inimigos… Nem mesmo com todas as suas armas e métodos Mythro conseguirá garantir sua própria segurança, ou a segurança de seus companheiros e irmã.

Depois de se preencher novamente de energia, ele volta a utilizar a Cauda de Lanças. Ele usa um Salto Reação e vai até o teto, de lá, ele utiliza sua energia sendo intermediada pela runa de terra e faz um pouco do teto cair.

Suife sabendo das intenções de Mythro recua, e espera que toda a poeira baixe. Há pelo menos 50 mortos no chão. Por um momento, eles têm paz.

Removendo Mer e fazendo ele voltar a ser uma tatuagem, assim como a lança e o escudo, ele começa a vasculhar todos os sacos azuis.

As armas jogadas no chão que não foram quebradas, ele as recolhe e vai colocando tudo dentro de uma mochila.

Um saco azul não podia entrar dentro de outro saco azul. Às vezes, alguns cultivadores faziam sacos azuis iguais aos que tinham inscrição espacial e jogavam seus verdadeiros sacos azuis dentro destes.

Era uma maneira de proteger as ondulações dos itens que estavam guardados. O saco azul que não possuía inscrição espacial possuía inscrições de selamento.

Esta mochila de Mythro possuía estes dois aspectos. Ela ia servir para selar as ondulações e guardar estes diversos sacos. A mochila era grande o suficiente para poder se colocar até 400 sacos azuis.

Como ele não sabia o que iria encontrar pela frente, ele decide parar e se senta para pegar 20 adagas, 30 espadas e colocar uma nova inscrição nelas usando suas mãos cósmicas.

Detonar! Uma habilidade que não iria custar energia cósmica direta de sua cultivação, e que faria o estrago que ele precisaria.

Na frente dele, depois dos escombros, havia com certeza um número muito maior de pessoas, e que os despachados eram os de menor importância para o que estava havendo.

Ele fica por 20 minutos parado, quando ele termina todos seus preparativos, Núbia e Grásio aparecem.

— O que vocês?

Núbia gane para ele explicando algo. Ela lança para ele um saco cinza que ela pegou de um garoto que antes de morrer tentou impedir ela de matá-lo, dizendo que ele era o servo direto de Ygo.

Mythro dá uma olhada dentro desse saco cinza, que era o menor nível de uma bolsa espacial e encontra pílulas. Mas não qualquer tipo de pílulas, pílulas de 4 e 5 estrelas!

Havia 5 pílulas azuis, 10 verdes e vermelhas e até mesmo duas douradas!

— Duas pílulas douradas… Com elas poderei atacar o pico do primeiro reino. Muito bem, Núbia!

A cultivação do pequeno NOVA era entrelaçada entre os três, porque foi da sua árvore da vida que a deles nasceram.

Então o custo de subir de nível para Mythro era vezes maior! Essas duas pílulas douradas eram apenas um pouco do que seria necessário, mas com todas as outras, ele poderia fazer rapidamente uma formação que amplificaria os efeitos tomados com todos os 4 juntos nela.

“Comece a desenhar a formação. Essa promoção pode garantir que você leve tudo para a Gruta do Paraíso.”

O que Gornn disse tem a ver com o segredo desta montanha, e o porque do Ritual Sangrento ter escolhido ela para fazer seu ritual!

O segredo que um dos avestruzes disse para Mythro horas atrás.


Autor: Mateus Lopes   │   Revisor: BCzeulli   │   CQ: Heaven



Fontes
Cores