DA – Capítulo 128 – Último Ato(2)


Isadoro fica quieto por alguns segundos, mas um riso histérico se desperta com grande violência. Fazendo lágrimas escorrerem de seu rosto.

— Você devia conhecer seu lugar. Nem o gênio mais forte do meio-oeste consegue nos derrotar, muito menos um do oeste de fora.

Ygo ri, mas sua risada é mais seca. O olhar de Mythro através da armadura o assusta.

— Você me lembra a menina Anast que estava aqui antes. — Isadoro grita, puxando um porrete de seu saco azul. — Ela foi ótima de foder!

Nuvens brancas começam a se amontoar ao redor de Mythro. Ele guarda Éter em sua perna esquerda, mas ele continua emanando mais e mais nuvens.

Arfando o seu peito, o pequeno NOVA puxa da área de suas costelas duas adagas, que brotam através de Mer.

— Você tá cheio das coisas aí, hein!? Olha, vou ser bom com você, uma putinha que me traz tantos presentes no primeiro encontro, é bem difícil, sabia!? Pensei que aquela Anast fosse ser o segundo ponto alto do meu dia, mas você já está a superando.

Ele para de falar para respirar e continua falando:

— Quer saber, Mythro Nuvens Estranhas? O pior de estuprar alguém, é que ela não fica muito molhada. Vou te fazer uma pergunta, me responde, me responde okay? Se elas fossem espertas, elas ficariam molhadinhas para não se machucarem tanto, não é mesmo? Elas podiam até curtir a coisa se elas se deixassem permitir o prazer, mas não, elas se enclausuram nesse pensamento de pureza. De se deitar com quem ama… Isso é tudo tolice! Mas bem… As meninas no nosso clã são tudo larga por causa disso, então às vezes é difícil resistir a uma menina mais íngreme, não nos culpe, okay?

— Caos.

Mythro diz apenas uma palavra. Caos aparece acima dele e seus braços e pernas se separam do olho, ele se sobrepõe aos braços e pernas de Mer. Agora as então douradas partes, tomam o alaranjado de Caos.

Por último, o único olho de Caos vai até o centro do peitoral e se funde a imagem das enguias.

Um lustre dourado brilha além do alaranjado. As diversas nuvens começam a se condensar em um pote…

— Esta armadura não poderia ser… Uma armadura viva?

O Rei Maligno desce sua voz a um tom mais profundo.

— Armadura viva? — Ygo cerra os olhos tentando ver além das nuvens que rodeavam o pequeno NOVA.

— A armadura dele é um conjunto rúnico? — Isadoro fica mais cauteloso e puxa uma miniatura de montanha.

A pressão na região aumenta, mas um anel marrom começa a rodear seu corpo e livra o irmão mais velho de Ygo da pressão.

— O patriarca fundador disse que iria invocar uma armadura viva para poder renascer completamente e com força igual aos reis de nosso mundo. Garoto… Onde você conseguiu essa armadura? Você causou a ressurreição pela metade de nosso Senhor?

— O lixo do Kromo fugiu com o rabo entre as pernas. Mas fique tranquilo, isso não acontecerá com seus filhos. Esse altar Yang… Você não vai conseguir tirar suas correntes antes que eu mate seus filhos, não se você não sacrificar sua cultivação e longevidade para isso.

O Rei Maligno fica quieto por um instante.

— Acabe logo com isso Isadoro, sem misericórdia.

— Sim, pai.

Isadoro invoca três espadas. Ele move seus dedos e as faz atacar Mythro.

Movendo-se com as nuvens, o pequeno NOVA bate nas espadas três vezes com suas adagas e as racha até que elas não suportem mais a energia que era canalizada nelas por Isadoro e quebrem.

Continuando sua investida, chamas negras borbulham para fora de sua boca e atacam ferozmente o desavisado Isadoro, que ainda não entendeu como suas espadas quebraram. Ele joga a montanha no pequeno NOVA, e crescendo até ter 6 metros, ela despenca em Mythro.

Pegando uma cabeça cortada de seu saco azul. Isadoro joga o sangue da cabeça pra cima e fazendo sinais de mão, o sangue se move e o protege.

— Comando de Sangue?

“Não, há um talismã naquela cabeça. Isso é o que permite ele controlar sangue.”

Mesmo com a pequena “montanha” caindo acima de si. Mythro ainda analisa a barreira de Isadoro com seus sentidos. Fazendo sua energia cósmica explodir, ele planta firmemente seus pés e levanta seus braços preparando-se para a colisão.

As duas adagas voam de suas mãos e vão atacar a barreira de Isadoro.

Quando o item rúnico finalmente colide com Mythro, seus braços se dividem, e assim também suas pernas. O pequeno NOVA fica com dois braços dourados e laranjas, e duas pernas douradas e laranjas.

A “montanha” faz ele afundar centímetros dentro do chão. Mas seu ímpeto logo cessa. Grásio que havia desaparecido para mostrar o caminho para as meninas volta e começa a expandir seu tamanho até 10 metros.

Ele enrola o que pode na montanha e começa a esmagar o item junto com Mythro, que em sua forma de Perdição do Egito + NOVA Statum e conjunto rúnico completo, supera em força bruta até mesmo cultivadores com 2 Asteroides Perfeitos já consolidados.

— Para cima!

Com um forte grito, Grásio e Mythro jogam a “montanha” no alto. O olho de Caos que agora era o peitoral do pequeno NOVA, brilha e um raio de energia faz seu caminho até o item rúnico.

A explosão faz com que todas as quatro meninas sejam jogadas para outro canto da caverna. Apenas Bijin que estava protegida pela barreira fica ilesa.

Com muito medo da explosão, Ygo coloca três barreiras na sua frente. Todas as três de item rúnico igual as de Bijin.

— Pai!

— Acalme-se, Ygo. Isso é uma luta entre cultivadores de verdade. É importante para seu cultivo, observe!

— Filho da puta!

Invocando dez espadas com sinistra energia corrupta. Isadoro pula do cerco das adagas e vai direto para Mythro, que parecia estar desprotegido em sua postura fixa na terra.

Três Caudas de Lanças nascem do cóccix de Mythro e atacam Isadoro no meio do ar. Sem ter para onde correr, suas espadas lutam com a trajetória indecifrável das lanças e seus atributos.

Sentindo que era questão de força a Cauda de Lanças não ser destruída por suas espadas, ele recolhe uma do ar e ataca diretamente uma delas em seu ocelo dourado.

— Quebre para mim!

— Quebrar? Que tal eletrocutar?

Serpentes elétricas saem da Cauda de Lança e mordem todo o braço de Isadoro. Ele invoca uma besta de uma tatuagem em sua mão e recua engolindo pílulas.

O monstro invocado parece um tigre com cabeça de vaca. Suas presas são longas e saem de dentro da sua boca, pingando o próprio sangue.

A fera reúne energia em seu corpo e ataca em admirável velocidade. Azar dela o fato de Grásio subir em suas pernas e desordenar toda sua energia cósmica e fluxo sanguíneo.

Ela tropeça caindo no chão e oferecendo sua cabeça para Mythro, que acaba de reaver as adagas.

— Droga, essa coisa inútil não serviu para nada!

— Isadoro, use a formação.

— Ah, sim, sim a formação.

Seu saco azul invoca uma bandeira branca com caveiras penduradas. Usando novamente a cabeça com talismã, ele mancha a bandeira branca com sangue que vai sendo absorvido.

As caveiras tomam forma ilusória composta de energia corrupta. Elas pegam sabres que lhe são dados por Isadoro e atacam o pequeno NOVA.

Embora ilusórios, suas forças estão dentro do segundo reino. Mytho se protege com as adagas dos sabres que estão infestados de veneno.

— Dessa vez você morre. O veneno nessas armas é o da Aranha Picmr das ruínas escuras do norte! Essas formas de energia não podem ser tocadas enquanto a formação estiver alimentada.

Mythro percebe que o vermelho da bandeira começa a diminuir de pouco em pouco. Isso faria com que muitos apenas mantivessem uma postura defensiva até a bandeira ficar branca novamente.

Mas Isadoro não conhecia o poder das adagas. Não, ele não conhecia o poder de uma armadura viva.

Nyx alonga sua lâmina e uma energia roxa começa a cortar o Yin de onde ela toca, Hemera recolhe o Yang para si e sua energia começa a ir para cima.

— O que são essas adagas?

— Acalme-se, pai. Ele não conseguirá se safar dessa. Nossa formação é imbatível.

— Deixe de subestimá-lo. Ygo, invoca o Gigante Molk!

Ygo demora para acarretar as ordens de seu pai, pois ele vê que Mythro está apenas se defendendo das caveiras da formação.

— YGO, AGORA!

Assustado, ele se apressa a invocar coisas de seu saco azul. Diversas partes de cadáveres pulam no chão enquanto Ygo começa a desenhar com sangue um círculo mágico no chão. No meio do chão ele coloca dez Asteroides Completos e uma cabeça de gigante.

Usando um salto reação, Mythro corta as três caveiras ao meio e elas desaparecem como fumaça. A bandeira recebe um recuo e o papel desmorona como pele morta necrosada.

Isadoro pensa rápido e joga um anel na frente do pequeno NOVA. Mythro levanta seu escudo e cria uma barreira de energia na frente dele. Uma explosão ocorre e ele é jogado até a parede da caverna.

Rachaduras começam a aparecer na barreira de Bijin. Grásio invoca suas presas cósmicas e morde a membrana de energia, ele começa a reconstruí-la.


Autor: Mateus Lopes   │   Revisor: BCzeulli



Fontes
Cores