Arifureta – Capítulo 122 – Transportando os Demi-Humanos


O vento estava rugindo e uivando, e o chão lá embaixo estava rapidamente ficando para trás.

Os Demi-Humanos que o Império libertou estavam se perguntando se o que eles estavam vivenciando era mesmo a realidade, para confirmar isso, eles beliscaram suas bochechas muitas vezes ao ponto em que ficaram com olhos cheios de lágrimas. E eles estavam perturbados como se declarassem: — Eu não estou acordando de meu sonhoooo! —, mais uma vez, eles observaram a cena irrealista. Apesar de algumas vezes eles estarem apenas tentando escapar da realidade.

No momento, eles estavam a bordo de uma “cesta” que Hajime instalou na parte inferior do “Dirigível”, “Ferner”, e estavam experimentando sua primeira vez viajando pelo ar.

Ferner, como era de se esperar, não tinha capacidade para abrigar milhares de Demi-Humanos, assim, uma enorme cesta foi instalada. Em relação a imagem, ela parecia uma gôndola de dirigível.

Na realidade, o salão do portal foi preparado em Faea Belgaen e na cidade oculta dos Haulia, embora fosse possível chegar no Mar de Árvores no mesmo instante após abrir um portal, eles escolheram viajar pelo ar com o objetivo de criar uma cena. Dessa forma, haveria muito mais impacto com a libertação dos Demi-Humanos por parte do Império.

Considerando a situação, havia a necessidade de alguém confirmar as palavras que foram ditas da última vez: “Libertar os Demi-Humanos era a vontade de Deus”. O espetáculo de um enorme objeto voador sendo manobrado nos céus para voltar para casa era necessário para enganar por completo os cidadãos do Império.

Mas, como preço, Hajime, que guiava Ferner, foi confrontado com o duro fardo de ter tantas pessoas a bordo. Enquanto jorrava poder mágico vermelho do assento da ponte, se apoiando em suas costas com suas pernas esticadas languidamente, não era possível ver a encarnação da arrogância.

Como imaginado, pilotar a nave com milhares de pessoas a bordo, com seus pesos acumulados, seu consumo de magia forçado com certeza não foi algo simples.

Contudo, enquanto poder mágico era aos poucos drenado, com a atual situação, ele decidiu treinar sua capacidade mágica de operar poder mágico de forma eficiente através de sua consciência se esforçando muito, entretanto, o motivo para sua falta de energia não era apenas devido ao consumo de magia.

Para os outros, isso parecia alguém que estava sendo preguiçoso, porém, esse era o esforço de uma pessoa que treinava sempre que possível. Era realmente muito difícil dizer a diferença…

Yue, Shia, e Kaori estavam ao lado de Hajime, o ajudando. Apesar da aparência de Hajime ser a mesma de um pai com preguiça sentado em um banco enquanto seus filhos brincavam no parque em um feriado, em seu braço direito estava Yue, em seu esquerdo estava Shia, o usando como um travesseiro, e Kaori, que estava brincando com o cabelo do garoto no banco de trás.

Ele estava mesmo treinando com seriedade, no entanto… não havia como negar que essa cena parecia apenas um cara com seu harém.

— Oi, oi, essa é uma atitude bastante arrogante na frente do Imperador, não?

— … Nagumo-kun, embora eu só esteja dizendo isso… acredito que você deveria se respeitar um pouco mais.

— Que invej… quer dizer. Verdade. Isso é indecente.

Apesar de ele estar se concentrando no treinamento para operar seu poder mágico com eficiência, inconscientemente, Yue e Shia estavam acariciando a cabeça do Sinergista enquanto múltiplas vozes se dirigiam a Hajime.

Com o objetivo de fazer o juramento diante dos anciãos de Faea Belgaen, Gaharudo, o Imperador do Império Hoelscher, os acompanhou, Liliana também estava com eles, como uma integrante da família real da mesma raça humana, para testemunhar o juramento como a princesa do Reino Haihiri, e a Shizuku de sempre. É claro que Kouki, Ryutaro e Suzu também estavam lá.

Havia mais uma pessoa, Tio, que recebeu o pedido de Gaharudo para o mostrar o dirigível, também estava ali, mas quando ela voltou e viu Yue e as outras, — Esta tambéééém! —, ela declarou para Hajime e começou se preparar para algo, sentindo o que estava para acontecer, o Sinergista usou suas pernas para sufocar ela e, sem maiores problemas, a mulher caiu no chão. Embora seus olhos estivessem brancos e ela convulsionasse um pouco, não houve qualquer problema.

— Ahhhh, você terminou de explorar a nave?

— Sim, isso é muito ridículo. Eu não faço a menor ideia de como esta massa de metal é capaz de voar. Mas isso é extremamente interessante! Oi, Hajime Nagumo. Prepare uma aeronave para nós. Eu pagarei qualquer preço que você me pedir.

Gaharudo sentou no banco e encarou o garoto, seus olhos estavam brilhando como estrelas pela curiosidade por Hajime. Shizuku e os outros também se sentaram.

A propósito, Shizuku e Liliana estavam sentadas ao lado do Sinergista. Apesar do Imperador estar um pouco descontente, seus olhos estavam brilhando como os de um garotinho e ele não se importou muito com isso. Ele parecia ter gostado muito desta nave.

— Não preciso de bobagens como dinheiro. Desista. Esta será a única vez que você vai subir a bordo. Dê o seu melhor para apreciar o tempo que você tem.

— Não diga isso. Ei? Só uma, mesmo que seja uma aeronave pequena, eu aceitarei.

— Mas não há mérito algum para mim.

— Nuguuuuu, se dinheiro não é o bastante, que tal mulheres? Uma de minhas filhas finalmente chegou na idade certa. Apesar de ela ser muito orgulhosa, sua beleza é de primeira classe. Eu vou acrescenta-la ao seu harém, o que acha? Isso será bom, não é?

Parecia que Gaharudo via Hajime como um playboy inigualável. Podia se dizer, considerando a situação, que isso não era algo que poderia ser negado.

Contudo, seria problemático subitamente receber uma mulher, então o garoto estava a ponto de rejeitar enquanto ria, porém, as mulheres reagiram mais rápido do que ele.

— Não!

— Não desu!

— Não ja!

— Não!

— Não!

— … e aí está sua resposta.

— Chi, você só está se exibindo… hmm? Princesa Liliana, agora há pouco, você também não reagiu?

Gaharudo ficou amuado e estalou sua língua, então ele virou seus olhos na direção de Liliana ao notar algo. Atraídos por isso, os outros também se viraram para a princesa.

— Eh? Sem-sem chances. Você tem certeza que não se enganou?

— … kukuku. Parando para pensar, na festa, você estava se divertindo muito mais dançando com Hajime Nagumo do que com Bias. Oi, oi, Hajime Nagumo. Você não está indo rápido demais? Até eu estou impressionado com sua velocidade.

— O qu-qu-qu-que você está dizendo!? Eu e Nagumo-san absolutamente não temos esse tipo de relacionamento! Cer-certo? Não é? Nagumo-san!

— Ah? Ahhhh, é tão impossível quanto o céu e a terra trocarem de lugar.

— … você não precisa ir tão longe assim…

Para a clara objeção de Hajime, a irritação e tensão crescente de Liliana foram logo apagadas. Ela olhou para longe parecendo mal-humorada. Com essa atitude, Liliana entendeu que não tinha chances…

Ou melhor, em seu coração, ela estava relembrando a dança da festa. Hajime também devia estar pensando sobre isso, mas decidiu recusar a pessoa em questão sem pensar duas vezes, olhares de simpatia estavam voltados para Liliana, e então eles se voltaram para o Sinergista.

— … por que tenho que ser olhado com esse tipo de olhos? Em primeiro lugar, a princesa é meio que uma mulher casada. Apesar de seu noivo ter sido decapitado, isso não significa que seu casamento com a família real foi perdido. Portanto, ela se tornará o par de outra realeza, não é?

— Ahhhh, quanto a isso…

A respeito de Liliana, que tinha a expressão de alguém que mastigou cem insetos e minhocas, o Imperador respondeu.

— Sendo completamente honesto, meu clã não está mais em posição para discutir esse tipo de coisa. Afinal, nós temos que jurar sobre esses colares por todas as nossas vidas, ou morreremos, temos que lidar com muitas situações ridículas que vão surgir.

Assim como Gaharudo disse, um colar com uma gema vermelha estava definitivamente em seu pescoço.

— Pelo conteúdo daquele juramento, mesmo que alguém fora da realeza desobedeça ao contrato, a família real será “julgada de acordo com a lei”, nossas vidas agora estão conectadas, dessa forma, isso não muda o fato de que as vidas do público também podem ser afetadas. Uma reforma radical na punição precisa ser criada para fazer cumprir as leis, e todas as outras cidades além do Império também precisam saber dessas leis… todos estão desesperados.

Assim que o Imperador inclinou suas costas no encosto de seu assento, ele coçou sua cabeça como se dissesse: — Estou acabado!

— Agora que não sei quando vamos morrer, não posso permitir que a princesa de outro reino se case com um dos nossos, não tenho outra escolha. Além disso, nós perdemos mão de obra devido a emancipação dos Demi-Humanos. Há pessoas reclamando em toda parte. Nós também precisamos de mão de obra correspondente para reprimir o público, sendo sincero, essa é uma situação onde o Império quer pedir a ajuda do Reino.

— Entendo. Em outras palavras, você está retirando a proposta de casamento a princesa?

— Bom, digamos que sim. Nós precisamos acalmar a situação e confirmar a segurança da família real primeiro, assim que isso acontecer, desta vez, seria uma ideia melhor que Sua Alteza Randell… ou melhor, Sua Majestade agora… se casasse com uma de minhas princesas.

Com a explicação de Gaharudo, todos os presentes mostraram expressões de espanto.

Aliás, alguém da realeza gritou: — Como se houvesse alguma verdade nessa conversa fiada! Eu vou remover este colar! —, e a pessoa removeu seu colar, depois disso, ele subitamente ficou louco e fora de controle, e como se seus fios fossem cortados, a pessoa morreu, este foi o motivo para a realeza começar a trabalhar com desespero.

— Isso não é ótimo? Lili!

— Com certeza é. Liberdade para amar… ainda pode ser impossível, porém, por enquanto, você ganhou tempo.

— Un un. Estou feliz por você Lili.

Com Kouki na frente, os alunos encararam Liliana com olhares gentis. Liliana mostrou um sorriso sem graça para seus amigos que estavam a observando, completamente satisfeita com o “casamento sendo resolvido”. De modo curioso, Gaharudo também mostrou um sorriso irônico.

— Com isso, Hajime Nagumo. Neste momento, a Princesa Liliana está livre. Se você quiser, o Império cooperará com você com todas as suas forças.

— Hãããã!? Sua Majestade! O que você está dizendo!? Eu-eu não estou…

O Imperador estava sorrindo de orelha a orelha enquanto dizia isso. Mais uma vez, Liliana estava irritada.

Entretanto, Hajime estava prestando pouca atenção ao conteúdo da conversa e mostrou uma expressão impressionada para Gaharudo. Ele teve o bastante da atual atitude de Liliana.

— Se for assim, eu vou te dar um dirigível. Não importa o quanto você analise se há méritos… ou melhor, isso não seria um demérito?

— Mas o que você está insinuando!? Nagumo-san!

— Oi oi, ela é a princesa de uma nação. Normalmente, este é um ponto que homens não podem alcançar.

— Espere um segundo, vocês dois escutaram o que eu acabei de dizer? Vocês estão me ouvindo!?

— Não me coloque no mesmo grupo que você. Eu não tenho o hobby de colecionar mulheres. Princesa é apenas um título, e um que apena causa problemas.

— Ei-ei-ei, vocês definitivamente não me escutaram. Ninguém aqui me escuta. … soluça… o que é uma princesa, eu me pergunto…

— Lili… está tudo bem… uuuuu, você é uma princesa, então não se preocupe

— Li-Lili! Eu te escutei, portanto! Mostre um pouco de ânimo!

Liliana estava sendo ignorada na discussão de Hajime e Gaharudo, e a princesa começou a desenhar caracteres no ar em seu assento de uma forma negligente. No canto de seus olhos, algo estava se reunindo e cintilando. Então, Shizuku e Kouki estavam tentando anima-la.

Sem ligar para a princesa e seus colegas, Hajime estava resmungando: — Unununu. —, e Gaharudo, que tentava negociar com ele, suspirou.

— Não tem nada que eu quero agora, só desista. No futuro, quem sabe você encontrará algo que valha a pena negociar… então espere com paciência até esse momento.

— Nuuuuuuu, não há nada que você deseja? Nada que você quer feito? Só seja honesto e diga de uma vez. Humanos sempre têm desejos. Já ficou comprovado que alguém que diz que não tem nada que deseja, ou já não é mais humano ou está tramando alguma coisa por trás das cenas. … ahhhh, é verdade, você é um monstro.

— Você está querendo brigar? Bem, posso entender o que você quer dizer. Porém…

Assim que Hajime estava dizendo isso, ele se sacudiu e abraçou Yue e Shia.

— O que eu realmente quero já está em meus braços. “Ter elas comigo o tempo todo” já é mais do que o suficiente para preencher minha cabeça, não posso pensar em “mais” nada do que isso. Provavelmente pelo resto de minha vida.

“Por isso…”, Hajime expressou que as negociações eram inúteis. Yue estava tão feliz que ela aproximou seu corpo, os olhos de Shia se arregalaram por também ter sido abraçada como a vampira, no momento seguinte, suas orelhas de coelho e sua cauda de coelho começaram a balançar para cá e para lá e ela jogou seus braços ao redor do Sinergista.

No peito de Hajime, os olhos de Yue e Shia se encontraram, ambas riram: — Kufufu. —, e sorriram uma para a outra.

— Ahhhh, ahhhh, entendi, entendi. Tsk, isso é doce demais para que eu possa lidar. Acho que vou apreciar o cenário no deque…

Gaharudo se levantou com um olhar irritado e logo deixou a ponte. Hajime estava sorrindo com ironia. Após ver a discussão cara a cara, Kouki e Ryutaro não sabiam o que fazer e deixaram seus olhos vagarem por aí. Suzu soltou uma voz estranha: — Howaaaa.

E uma voz veio de trás de Hajime e outra de suas pernas.

— Uuuuu, é injusto que sejam apenas Yue e Shia! Ei, eiiii, Hajime-kun. “Em meus braços” é só uma expressão metafórica, certo? Isso não está limitado apenas a Yue e Shia, não é? Não é?

— Mes-mestre. Apesar de esta apreciar sua magnífica técnica com os pés, você também não segurará está com força? “Em meus braços” seria ótimo…

Kaori se agarrou em Hajime por trás, ela estava tentando com desespero apelar para sua existência. Tio se sentou e implorou para o garoto com seu queixo nos joelhos dele.

A pessoa que reagiu às duas foi Yue.

Enquanto se levantava um pouco, ela encarou Kaori e Tio.

— … que lamentável.

— O qu-que você quer dizer!?

— Muuuuu, não posso apenas ignorar isso Yue.

Kaori e Tio tinham uma aura como se estivessem mastigando um lenço enquanto soltavam um “Kiiiiiii!” e olhavam para Yue, que estava sem expressões. A vampira inclinou seu pescoço como se estivesse pensando sobre algo, então ela lentamente apontou para ela mesma e Shia.

Então…

— … vencedoras.

Em seguida, ela apontou para Kaori e Tio.

— … perdedoras.

E como esperado, isso foi dito com seu rosto sem expressão. Assim, ela esfregou sua bochecha no peito de Hajime. Então, nesse momento, um som de algo sendo cortado pôde ser ouvido dentro da ponte.

— Fu, fufufu… Yue é bem esquisita, não é? De repente dizendo coisas que não fazem sentido… ela com certeza tem um parafuso a menos.

— Isso mesmo. Isso deve ser verdade. Então esta deve consertar isto.

— Falando em consertar, há uma forma simples de resolver isso.

— Umu umu, coisas quebradas devem…

— Ser consertadas se receberem uma porrada!

— Ser consertadas se receberem uma porrada noja!

Elas subitamente se levantaram e inspecionaram Yue enquanto sorriam.

Espírito de luta começou a transbordar. Com essa pressão, Kouki, Ryutaro e Suzu se juntaram para se abraçarem. Kouki começou a sussurrar: — Essa-essa é Kaori?

Yue, que foi atingida pela pressão das duas, mais uma vez, sorriu um pouco, o que arruinou seu rosto sem expressões e olhou para cima.

— … parem com isso. Se nós formos levar isso a sério, vocês duas não têm chances contra mim.

“Você é algum tipo de monstro?”, elas queriam refutar as palavras da vampira. E essa foi uma provocação bem intensa.

— Só porque você quer!

— Só porque você quer ja!

Com toda certeza, isso fez Kaori e Tio ficarem ainda mais irritadas. Yue também se levantou lentamente.

— Ua, vocês três, esperem um segundo! Para de repente começarem a lutar… ou melhor, Nagumo-kun! Detenha elas!

Shizuku estava abalada e transpirando enquanto tentava dar o seu melhor para mediar a situação. E logo chegou à conclusão de que ela não seria capaz de deter as mulheres! Então ela desistiu e se virou para pedir ajuda de Hajime, que era a causa desta disputa.

Hajime apenas disse…

— É impossível. Estou fraco…

Seu poder mágico já tinha diminuído drasticamente e isso o deixou fraco. Ele não parecia ter qualquer intenção de se mover.

Em primeiro lugar, uma pequena briga era uma ocorrência diária, ou melhor, era mais como um tipo de comunicação para as garotas, então o Sinergista não prestou muita atenção.

— Pe-pessoas como você sããão…

Contudo, Shizuku ainda estava alheia a seus arredores, sua bochecha começou a se contorcer.

Então, uma voz de hannya chamou Shizuku.

— Shizuku-chan! Por favor, retire o que você disse!

— Areeee? Desde quando eu fui arrastada para isto!?

De forma muito natural, a participação de Shizuku na guerra foi decidida.

— Uffff, princesa, vamos entrar nessa juntas! Você é uma especialista em barreiras, não é? Vou deixar a defesa para você e Suzu!

— Eh? Eu também!? Por quê!?

— Suzu também foi casualmente incluída!?

Tio com sua força dracônica, segurou Suzu e Liliana pelos pescoços como se elas fossem filhotes de gato e as arrastou. — Princesa… eu sou uma princesa… —, Liliana murmurou com sentimentos vazios.

— … Shia, estou confiando a você a vanguarda.

— Tu-tudo bem! Não permitirei que ninguém se aproxime de Yue-san!

Cheia de espírito. Parecia que Shia seria a vanguarda de Yue. Ela se levantou e começou a girar seu braço.

— … Hajime, espere um pouco. Eu vou espancá-las e volto depois.

— Óóóó, faça isso com moderaçãoooo.

— … após terminarmos de lutar, vamos nos abraçar de novo.

— Quando você quiseeeer.

— … nnnn.

Com isso, as mulheres (exceto por algumas) seguiram em direção ao convés com a atmosfera cheia de espírito de luta. Apesar do convés ter um tamanho moderado, não era possível dizer que ele era o bastante. Com certeza, seria bom treinar um pouco. Era necessário que Kaori se acostumasse com o corpo de Nointo, então se movimentar bastante era uma boa ideia. Como não havia como dizer que tipo de provações eles enfrentariam no Grande Calabouço do Mar de Árvores Haltina, seria bom treinar, mesmo que fosse só um pouco.

Entretanto, não se sabia se Yue e as outras tinham isso em mente.

Após um tempo, rugidos e explosões começaram a ser ouvidos. Kouki e os outros estavam assustados. Eles tinham expressões aflitas, se perguntando se estava mesmo tudo bem deixar as garotas sozinhas.

— Elas estão se divertindo, hãããã.

Contudo, a impressão de Hajime era essa.

— … quer saber, qual o problema com você, Nagumo…

— Como esperado, você é muito absurdo…

A ponte que estava agora cheia de homens, após olharem para o entediado Hajime, Kouki e Ryutaro estavam meio impressionados e meio preocupados. Ele não estava nem um pouco preocupado com o tumulto que as mulheres começaram, parecia que isso era algo completamente natural, então eles estavam impressionados como homens.

Depois disso, a luta de Yue e as outras terminou após assustar terrivelmente os Demi-Humanos, e, por fim, o Mar de Árvores começou a aparecer diante deles. Embora tenha parecido que o primeiro a gritar fosse o Imperador… isso com certeza devia ser apenas a imaginação deles.

Enquanto se preocupavam em silêncio com a segurança do Imperador, eles começaram a se preparar para aterrissar no Mar de Árvores.


Com o Sol se escondendo, a cortina da noite caiu.

O interior do Mar de Árvores estava iluminado por Faea Belgaen enquanto pessoas produziam luzes laranja. Normalmente, não importava o quão ocupados eles estivessem com a reconstrução, o tempo de prazer das refeições em família tinha há muito passado, e o silêncio sereno iria preencher o ar.

No entanto, a atual Faea Belgaen estava em um estado em que o ciclo da noite e do dia foi revertido; ela estava envolta em clamor. Pessoas estavam correndo para a esquerda e para a direita. Pessoas começaram a se reunir na vila fora de Faea Belgaen, parecia que elas estavam organizando os soldados e os instruindo.

Com esse clamor, enquanto olhava pela janela que estava aberta para permitir a entrada do vento da noite, um dos anciões de Faea Belgaen, Alfrerick Hypist do povo da floresta, tinha uma expressão indescritível enquanto segurava um documento em uma das mãos.

Em seu conteúdo, havia um relatório sobre aceitar vários milhares de seus irmãos de volta, era esse tipo de documento. Os outros anciãos também estavam ajudando ao dividir o trabalho.

— Fuuuuu… Kam. Nossos irmãos estão mesmo voltando?

— … você ainda está dizendo isso? Não vou continuar tranquilizando você toda vez que você perguntar isso, só se apresse e termine as preparações para recebê-los.

Quando Alfrerick começou a falar, como se a sala estivesse viva, a presença de uma pessoa apareceu. Ao lado de Alfrerick estava o Haulia, Kam, que ocultou sua presença.

Kam e a tribo Haulia voltaram através do portal antes de Hajime e seu grupo para dizer que os Demi-Humanos foram libertados. E usaram os minérios de telepatia para aumentar eficientemente as preparações para aceitar seu povo, esse era o papel deles como voluntários.

— Eu sei disso. É só que, ainda é difícil demais de acreditar. Aquele Império está mesmo libertando nossos irmãos…

— Isso será provado em algumas horas. Bom, posso entender seus sentimentos. Para nós, se não fosse pelo chefe, nunca em nossos sonhos pensaríamos em algo na escala que isso foi feito.

— Chefe… a pessoa qualificada: Hajime Nagumo, hã. Se essa história for verdadeira, ele não é apenas o salvador de minha neta, mas de todos os nossos irmãos. Teremos que pensar em uma forma de recompensa-lo…

— O chefe provavelmente não espera esse tipo de atitude. Ao invés disso, coloque suas mãos para trabalhar. Os relatórios estão se acumulando de novo.

Kam, que ouvia um relatório com o minério da telepatia, encarou Alfrerick por um instante. Embora algo fosse dito para Kam através do minério da telepatia, ele só observava o espaço, sua aparência não demonstrava nenhuma abertura. Pelo contrário, intenso ímpeto aparecia de sua falta de presença.

Antes, ele tinha uma expressão de resignação com a expectativa de seu clã sendo executado… você nunca pensaria que ele era aquela mesma pessoa. Sua atmosfera gentil de antes já não existia mais, em seu lugar, ele tinha uma aspereza que parecia capaz de cortar qualquer um que apenas o tocasse.

Na verdade, essa aspereza já tinha sido mostrada.

Isso aconteceu assim que Kam foi até os anciãos para dizê-los para se prepararem para aceitar os escravos que seriam libertados; ninguém, nem mesmo Alfrerick, podia acreditar nessas palavras, porém, nessa ocasião, um dos anciãos sentiu que o comportamento de Kam foi desrespeitoso e desagradável, então ele começou a recitar palavras de desdém para o Homem-Coelho e até tentou obriga-lo a se ajoelhar usando a força.

Mesmo que eles tivessem vingado os Homens-Urso antes e ajudaram quando Faea Belgaen foi atacada pelos Demônios e o Império, os valores com que os Homens-Coelho eram vistos não iriam mudar tão rapidamente.

Contudo, com essa ação motivada por preconceitos, ele respondeu com uma severa intenção assassina. No momento que um dos subordinados do ancião tentou tocar Kam, seja lá onde eles estavam escondidos, a tribo Haulia apareceu e colocou suas lâminas nos pescoços de todos os anciãos.

Naturalmente, o homem que estava a ponto de confrontar Kam também tinha uma espada apontada para ele, isso virou uma situação onde ninguém movia um músculo. Com tanta intenção assassina, se você falasse sem pensar, não havia dúvidas de que eles mostrariam suas presas; Alfrerick conseguiu de alguma forma restabelecer a paz.

Nesse instante, eles ocuparam a reunião dos anciãos de Faea Belgaen, as pessoas que possuíam o maior poder, e fizeram todos suarem frio com suas ferozes intenções assassinas, por ora, eles decidiram confiar nos Homens-Coelho e ver o que aconteceria. Ou melhor, eles não poderiam fazer nada além disso. As espadas dos Haulia que estavam encostadas nos pescoços dos anciões eram perigosas.

— Vovô, as preparações para as refeições estão completas. Esta é a quantidade que sobrou após o consumo.

Uma voz adorável como o badalar de um sino ressoou e trouxe Alfrerick de volta de sua lembrança, o que o fez voltar a suar frio.

— Mu, Arutena, hã. Obrigado por seu trabalho duro. Mas você continua indo para cá e para lá, tome cuidado para não exagerar.

— Eu estou bem. Meus irmãos estão voltando, não posso apenas ficar sentada sem fazer nada.

Arutena assumiu uma atitude decidida enquanto Alfrerick se preocupava. Entretanto, após passar o relatório para Alfrerick, de forma estranha, ela começou a se inquietar. Embora o ancião estivesse com dúvidas, ele notou que sua neta estava olhando para Kam com frequência, e conseguiu adivinhar o que ela tinha em mente.

— Se você está preocupada com ele, por que não pergunta para Kam?

— !!! Nã-não, eu não estou pensando em Nagumo-san…

— Porém, eu nunca falei nada sobre um homem, falei?

— Vovô! Sem chances, por favor, não fique repreendendo os outros como uma pessoa má!

Alfrerick estava visivelmente contente enquanto observava sua neta, que estava inquieta, “Ele não pode estar falando sério, pode?”, ela pensou.

Devido a personalidade de Arutena e sua figura, houve muitas propostas de casamento desde o nascimento dela, porém, até agora, ela rejeitou todas, a pessoa em questão queria seguir os passos de seu avô e trabalhar pelo país, ao invés de pensar sobre casamento. Por isso ele nunca teve este tipo de discussão até o momento…

Dentro de Alfrerick, sua insensatez e provocação de um avô começaram a aumentar.

— Fumu, aquele homem é definitivamente seu benfeitor, mas, ele não pensa em você como alguém especial, pensa? Ou melhor, para ser mais específico, ele estava ajudando a tribo Haulia, não estava? Apesar de você não dever pensar muito sobre isso… vai ser difícil fazê-lo se tornar seu parceiro.

— Eu já faleiiii, não é nada disso! Mouuuu! Eu ouvi que Nagumo-sama estava trazendo nossos irmãos, então só fiquei um pouco interessada nisso. Sim, essa é a única razão!

Com as bochechas estufadas, Arutena começou a deixar a sala e Alfrerick suspirou em segredo.

Então, nesse momento, Kam, que estava em silêncio até agora, chamou Arutena.

— Senhorita Arutena.

— Eh, uh, sim? Kam-san. O que foi?

Kam estava com um sorriso como se estivesse se divertindo com algo, o que fez Arutena respondê-lo com ironia. Kam relatou sorrindo enquanto olhava para a garota, que estava cautelosa.

— Embora pareça que o chefe aceita que muitas mulheres o sirvam, a verdade é que ele é muito determinado. E as posições de “especial” já estão ocupadas, assim, isso não pode ser alterado. É possível obter os assentos mais próximos, porém, você precisará de uma quantidade substancial de confiança para isso.

— Wa, haaaaaa… um.

Kam estava rindo ferozmente para a confusa Arutena.

— A propósito, de acordo com as ações do chefe, a pessoa mais próxima desse assento é… minha filha Shia. Afinal, o motivo para ele nos ajudar a mostrar nossas presas para o Império foi, segundo as palavras dele, “para que o sorriso de Shia não fosse ofuscado”.

— !!! É-é mesmo?

— Isso mesmo. Se for em nome de Shia, o chefe acabaria com o exército de uma nação. Isso mesmo, tudo pelo bem de Shia. Fufufu.

— !!!

Arutena imaginou que ele estava basicamente dizendo: — Você não pode derrotar minha filha!

Na realidade, a elfa tinha a mesma idade de Shia, que estava com 16 anos de idade. Dessa forma, ser comparada com outra garota de sua idade e ouvir que ela não seria o bastante nem para uma luta justa… não havia como evitar que ela ficasse furiosa.

— Quando você diz Shia-san… você está falando sobre a pessoa com cabelo pálido e azulado, não é? Permita-me dizer que eu não me acho inferior a ela. Embora haja mesmo uma diferença na quantidade de tempo que passamos juntos… até mesmo eu, com a mesma quantidade de tempo concedida a mim…

— Não, não, nossa Shia é uma existência especial, como imaginado, a senhorita Arutena deve parar de fazer essas coisas inúteis para seu próprio bem, me permita te dar um pequeno aviso. Se você perder sua idade de casar, isso será algo muito desolador.

— Isso foi desnecessário!

— Haaaaa. Kam, você não poderia parar de provocar minha neta…

A bufante e irritada Arutena e o sorridente Kam. Alfrerick deu um longo suspiro enquanto olhava para os dois.

A razão para Kam estar provocando Arutena era porque ele era um pouco intrometido.

É claro que ele não pretendia fazer isso com Arutena, ele estava se preparando para a chegada de Shia. O relacionamento de sua filha e Hajime quando deixaram o Mar de Árvores podia ser tido como a garota apressando as coisas. Ou seja, contanto que você considerasse apenas as aparências, Kam sentiu que o relacionamento deles se tornou muito íntimo. Após um empurrão, era só garantir que ela seguisse para o objetivo!

Esse único empurrão, em outras palavras, foi um detonador para Arutena começar seus esquemas, se Shia ouvisse isso, — Isso é extremamente desnecessário! —, ela diria com raiva.

Kam riu sozinho enquanto alimentava os sentimentos de rivalidade de Arutena. A aparência de uma garota que decidiu amar sem hesitação e recorreria a qualquer coisa era… incrivelmente diabólica.

Então, nesse momento, de repente, o exterior ficou barulhento. Não era o mesmo barulho de correria que já tinha se tornado comum, era um ruído de tensão de uma situação inesperada. Eles até começaram a ouvir rugidos.

— O que está acontecendo!?

De repente, Alfrerick se levantou de seu assento e caminhou até a janela. Então ele viu a causa da comoção.

— Pilares… de… luz?

Assim como indicado por essas palavras, luz tão forte quanto os raios de Sol durante um dia claro estavam banhando as árvores, não, a luz era muito mais forte, ao invés de apenas as árvores, ela as atravessava e iluminava até a praça de Faea Belgaen.

A situação era desconhecida, Alfrerick estava com seus olhos arregalados e uma voz calma ressoou.

— Não se preocupe Alfrerick. O chefe chegou.

Correto, a identidade por trás da luz que iluminava a praça de Faea Belgaen era o holofote do dirigível Ferner, que chegou nos céus da nação dos Demi-Humanos.


Tradutor:




Fontes
Cores