SRVF – Volume 4 – Capítulo 1


Hoje, minhas aulas ocorrerão somente no período da tarde, então eu estava me preparando para usar o tempo livre a fim de forjar alguma coisa, quando um homem agilmente abriu a janela e entrou no meu quarto.

— Príncipe?

Quando me virei, fiquei com uma expressão extremamente confusa com tudo aquilo. Não que eu me importasse é claro, mas era interessante notar que meu quarto se mostrou muito vulnerável ao ataque de alguém mal-intencionado.

— O que está fazendo aqui?

— Bem, é que… eu tenho uma missão especial.

— Você, trabalhando? Cara, você é um Príncipe, trabalho é a última coisa que alguém da realeza deveria se preocupar.

— É lamentável… você é apenas um artesão, então não sabe sobre as dificuldades da realeza.

— Tá bom, entendi. Agora poderia me deixar sozinho, por favor?

— … Quando terminar o que está fazendo… quero que faça algo por mim…. por favor. — O Príncipe se ajoelhou e olhou firmemente em meus olhos.

O clima aqui ficou bem estranho possivelmente se tratava de uma situação séria.

— O que houve, Arc?

— Em verdade, estou procurando pela Iris agora…

Owo, cara! Acabo de encontrar um Stalker! Ainda são 9:30 da manhã e o Príncipe já está tentando parar atrás das grades!

— Ei! O quê acha que está fazendo!?

Ele tentou agarrar o meu pulso para que eu o acompanhasse, então bati fora sua mão.

— Bem… Kururi Helan, se você puder me ajudar…

Eu estava ocupado agora, mas ignorando isso, o Príncipe usou um tom de voz mais confiante e imperativo em mim, assim, um novo aspecto de sua personalidade egoísta acabou de vir à tona.

Esse cara era uma dor-de-cabeça… — Mas cooperar com ele poderia ter um impacto positivo em meu futuro. Os ganhos pareciam maiores que o esforço necessário.

— Haa *Suspiro*, Arc, vou lhe dar uma mãozinha, mas isso não significa que você não precisará dar duro também.

— Por que você é sempre tão hostil comigo?  

Hohoho, parece que atingi seu ponto fraco aqui. Primeiro de tudo, por que você está procurando pela Iris? Não importa a razão, eu estou preocupado com a minha amiga. O que será que está acontecendo?

— Ouça bem, Kururi Helan, a alguns minutos atrás, Iris estava no quarto ao lado deste, então precisamos partir agora.

— Não! Você está querendo invadir uma propriedade alheia. Pare já com isso!

— Nós não temos tempo a perder discutindo meros detalhes.

— Não, você é que não tem tempo, não é mesmo?

No final, acabei acompanhando o Príncipe, mas rezei para que isso terminasse logo.

— Príncipe, o que supostamente preciso fazer?

— Sua missão é me escoltar. Então não fique parado, vamos, me escolte.

— Escoltar? Mas para onde?

Escoltar um Príncipe? Uma missão digna de um nobre. Acho que posso fazer isso.

— Recentemente, Iris tem parecido bastante preocupada com alguma coisa, você não acha?

— Na verdade não.

— Bem, não sou uma mulher, então não sei exatamente o que está havendo com ela. — Depois de uma pausa, o Príncipe continuou. — Kururi Helan, ela parece um pouco deprimida e, se um amigo próximo está deprimido, sinto que tenho a obrigação de fazer algo… E por isso nós precisamos descobrir o que está havendo, sem sermos notados por ela!

— Se você diz… de qualquer modo, para onde vamos?

— …Se algo acontecer a Iris… eu nunca me perdoaria.

— Certo… mas não esqueça que, caso algo dê errado, você é que está me forçando a participar disso.

Reprimindo a minha irritação, começamos a Stalkear (Seguir) a Iris. Hoje, as aulas dela ocorreriam apenas no período da manhã. Por essa razão, fomos observá-la sentada na classe e ela estava bastante focada na explicação do professor. Na minha opinião, não havia nada de errado com ela .

— Não vejo nada de estranho.

— É mesmo? Isso significa que a razão poder ser outra.

Depois da aula, Iris foi para a biblioteca e nós continuamos a espiando por entre as brechas na estante de livros.

— Ela parece bem. Nada de estranho.

— Nós apenas estamos perdendo tempo, parece que não descobriremos nada ho- Espere!

O Príncipe apontou para três belas e misteriosas garotas que se aproximavam de Iris. Todas possuíam longos cabelos castanhos, bastante charmosas à primeira vista, mas havia algo estranho na forma como estavam caminhando e movendo suas mãos.

Suas peles davam a impressão de serem lisas e macias, todas possuíam cinturas em um formato sensual e uma fisionomia magra, mas sem exagero. Apesar disso, eu não achava que algo bom estivesse para acontecer… Não mesmo.

O Príncipe parecia bastante preocupado e minha face começou a ficar pálida. Isso porque elas estavam sorrindo, não um sorriso amigável, mas sim, um malicioso. Eu Não conseguia mais olhar para o que estava por vir.

MALDITAS! O Príncipe também está furioso! Elas definitivamente estão tentando assediar a Iris!

Nunca tinha notado até agora, mas ela estava sofrendo bullying dentro da escola e as responsáveis por isso estavam agindo bem na nossa frente. O Príncipe parecia pronto para saltar sobre elas a qualquer momento. — Não faça nada estúpido, Príncipe!

Elas eventualmente a alcançaram, mas Iris não parecia preocupada. Acho que sua força emocional era muito maior que a minha.

— Ah, perdão~♪. — Uma das garotas esbarrou na cadeira de Iris, fazendo-a borrar, deixando um grande risco no livro.

— Sinto muito. Você me perdoaria?

— Bem, se não foi de propósito, então sem problema. — Iris a respondeu com um sorriso.

Ela mostrou confiança e não parecia visivelmente abalada e, logo em seguida, as garotas foram embora.

Iris retornou aos estudos como se nada houvesse acontecido. Sua natureza gentil e esforçada, não a faria perder o humor por causa de algo assim. Afortunadamente, as coisas não pioraram e o incidente terminou rapidamente. Eu estava certo de que ela não deixou isso a abalar, mas por outro lado, esse evento deixou uma enorme cicatriz enorme. Não nela, mas no Príncipe… — Ah, uma tempestade está para chegar…

Arc saiu correndo atrás das garotas, as quais estavam caminhando enquanto riam.

— Fique frio! — Eu rapidamente agarrei sua mão. — Esqueça disso! Agora que você sabe a verdade, precisamos apoiar a Iris, mas não assim!

— Me solte agora! Eu preciso dar uma lição nelas!

— Não, você não precisa!

Ele continuou se debatendo para ir, então não pude fazer nada além de soltá-lo.

— Tudo bem então, faça o que quiser. Mas saiba que não é essa a razão pela qual ela está triste.

— …Como você pode ter tanta certeza?

— Duvida? Então vá lá, faça uma confusão por nada e veja o que acontece.

— …Tudo bem, não farei nada. Mas por que acha que a Iris está deprimida então?

Parece que saí vitorioso nessa.

— Iris não liga para isso. Na verdade, ela precisa se esforçar em mostrar a todos a sua superioridade apesar de ser uma plebeia, assim, as pessoas irão admirá-la. É desta forma que o mundo funciona.

— …Realmente?

— Sim, ela precisa enfrentar seus próprios problemas, dessa forma o Príncipe irá apreciá-la ainda mais, ou ao menos é assim que ela pensa.

— …Tudo bem, já entendi. Vou suspender a execução delas por hora.

Nós continuamos observando enquanto ela estudava. A parte mais difícil desse trabalho era que ele requeria uma quantidade absurda de paciência e autocontrole. Quando Iris foi comer no jardim da escola, Arc e eu aproveitamos para lanchar também.

Ambos comemos sanduíches, mas o meu estava repleto de molho, enquanto o do Príncipe era um sanduíche vegetariano, cheio de vegetais crus.

— Ei, o seu sanduíche parece muito bom.

— Experimente um pouco dele então.

Deixei que o Príncipe desse uma mordida, afinal, quando os poderosos queriam alguma coisa, tudo o que se podia fazer era obedecer.

Iris acabou o seu lanche e parecia bastante contente. Até agora, nada de estranho havia acontecido, mas ainda assim, o Príncipe continuava insatisfeito.

Bem, eu tinha outras coisas para fazer. Será que ele planeja passar 24 horas nisso? Parece que chegou a hora de termos uma conversa séria.

— Príncipe, por que você acha que as pessoas recompensam os outros?

— Há diversas possibilidades… Talvez se você tiver grande consideração por alguém e conseguir fazer com que essa pessoa fique feliz com isso, você se sinta recompensado também.

— O que você me dará por estar lhe ajudando, então?

— …Falaremos sobre isso uma vez que a questão da Iris estiver resolvida.

Oho, muito bem meu jovem trabalhador. Parece que o plano foi um grande sucesso! — Nunca tive algo de grande valor de mercado. Mesmo se a casa de um mercador desabar, ele ainda terá itens preciosos para vender, então ele jamais entrará em ruína.

O que eu estava fazendo era um investimento a longo prazo e como eu estava colocando muito esforço nessa missão, esperava ganhar algo valioso em troca. No entanto, para conseguir isso, seria necessário antes satisfazer a curiosidade do Príncipe.

— Ela está saindo.

— Ótimo, vamos nos mover também. — Parece que nossa suspeitíssima missão, ainda vai continuar.

 


Tradutor: Rudeus Greyrat | Revisor: Ma-chan


Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde

por 5 segundos, assim estará apoiando o tradutor e a equipe de revisores!



Fontes
Cores