SRVF – Volume 5 – Capítulo 17


No entorno da Capital. Não, provavelmente seria melhor reformular essa frase para “fora do alcance da Capital” foi construída a Prisão de Kudan, em uma terra seca separada do ciclo da vida. Mesmo dizendo que foi construída, a maior parte da construção não foi feita pelas mãos do homem. 

Havia uma enorme cratera próxima à Capital, que costumava ser chamada de “Buraco de Kudan”, com uma profundidade maior que 30 metros. As paredes ao redor da cratera em si fazem um ângulo de 90 graus com o solo, de modo que, apenas colocar os prisioneiros lá dentro seria suficiente para mantê-los em cativeiro.

Os únicos colocados aqui foram os criminosos de histórico sombrio, mesmo entre os criminosos. Em outras palavras, eu entrei com segurança no círculo das pessoas que abalaram a sociedade. Ainda tinha dúvidas sobre ter sido jogado aqui apenas como prisão temporária, mas acredito que não seja tão difícil de se imaginar quando levando em consideração os ativos da família Dartanel. 

“Haa… a Família Real e os Príncipes me abandonaram? Não consigo deixar de pensar isso. Se eles tivessem dito algo mais, eu não teria recebido uma punição muito menor? Meu valor como ser humano é tão baixo?”

Bem, isso não importava mais. Eu não tinha outra opção senão esperar e rezar para que as evidências fossem julgadas com imparcialidade.

“Mais importante, meu pai e os outros estão bem? Espero que meus crimes não estejam causando problemas à família. Ele é uma pessoa bem frágil, então não consigo deixar de me preocupar.”

— Ao invés de se preocupar com outras pessoas, seria melhor começar a pensar em como irá sobreviver aí.

Obrigado pelo conselho.

Após removerem as algemas que estavam em mim, fui conduzido para o elevador que levava ao subsolo. Pelo que vi, havia elevadores ao longo das paredes e não parecia existir outras maneiras de ir e vir da prisão.

— Vou lhe dar mais um conselho. A comida é fornecida como um todo apenas uma vez por semana. Seria sensato racionar bem o que irá comer. Da minha experiência como carcereiro, aconselho-o a não ir contra o líder do grupo pro seu próprio bem. Você provavelmente não vai conseguir comida por um tempo, mas terá que suportar.

— Eu sou inocente, então provavelmente devo sair em breve.

— Entendo. Mas ainda assim, é difícil pensar nisso como um ambiente que um nobre poderia suportar, mesmo que por um curto período de tempo. Em primeiro lugar, me pergunto quantos anos se passaram desde a última vez que um grande nobre entrou nessa prisão… Você deveria tentar não se destacar.

Ele estava mesmo sendo atencioso? Tendo recebido alguns conselhos do carcereiro, o elevador prosseguiu e a superfície parecia estar muito mais distante. Acho que 30 metros era bem profundo e também não havia lacunas na parede, tornando a opção de subir algo inviável. De certa forma, senti a sensação desagradável de que nunca mais veria a luz do sol de novo.

“Ahh… apenas uma vez, apenas uma vez seria o suficiente. Eu queria ver o rosto daquela pessoa. Eu teria sido capaz de viver no subsolo sem me sentir desconfortável se a visse. Além disso, eu deveria ter comido algo doce também. Estou sentindo muita falta dela.”

Com um som alto e um impacto intenso, o elevador chegou ao fundo. 

O carcereiro abriu a grade e me deixou preso. Eu estaria nas mãos desses caras por um tempo agora, então seria melhor cumprimentá-los educadamente. Com apenas alguns guardas, o elevador começou a se mover outra vez, só que em direção à superfície. “Não poderia mais voltar agora”, foi o que pensei enquanto o assistia ir embora.

 



 

Curiosamente o espaço no interior da prisão era bem amplo. Até onde conseguia enxergar, podia-se dizer que que caberia o equivalente a dois Domos de Tóquio aqui. Se for assim, acho que não precisarei me preocupar com o ronco de meu vizinho. De qualquer forma, era um terreno bruto feito apenas de solo e ferro. Claro, não havia camas nem sofás, mas penso que de algum modo poderei me acomodar aqui, afinal, só precisarei aguentar isso por um tempo. Agora, o número do meu quarto era 136.

Passando por alguns prisioneiros pelo caminho, consegui encontrar meus novos aposentos. Talvez aposentos não fosse a expressão correta, pois o lugar não passava de uma cela com grades de ferro e um chão sujo, mas já que estarei ficando aqui, obviamente apenas por um tempo, deveria ao menos limpar o lugar primeiro. Felizmente, as salas vizinhas estavam vazias, então talvez seria menos incômodo morar aqui.

Limpando o lugar com um pedaço de pano que achei do lado de fora, o arrumei e tornei tudo um pouco mais higiênico e habitável, então tirando meus sapatos, tentei deitar no chão por um tempo. Embora fosse bom que não houvesse mais sujeira, como as paredes eram barras de ferro, o lado de fora estava completamente visível, sendo algo que me impedia de relaxar. Inclusive alguns prisioneiros de aparência ruim espiavam enquanto passavam por aqui. Essa foi uma experiência bastante desagradável.

“Tudo bem, acho que vou procurar por algo que possa usar como parede. Seria perfeito se tivesse por aí um pano grande ou alguma coisa desse tipo.”

Assim, quando estava prestes a sair para procurar, percebi que um grupo daqueles prisioneiros de aparência ruim estava vindo em minha direção. Os de antes pareciam estar sozinhos, só que agora… havia mais de dez pessoas nesse grupo. Talvez seja conveniente viver em grupos não importa onde esteja, não é? Me pergunto o que eles querem comigo…

— Número 136… Aqui, hein?

De pé, olhando para o meu quarto, o cara da frente confirmou meu rosto e o número da cela. Eles pareciam ter encontrado o seu objetivo… Como me cercaram, significava que queriam algo de mim, não é…? Mas o quê?

— Deixe-me apenas dizer isso primeiro, bombons para dar a vocês, entenderam?

— E quem precisa de algo assim! O chefe está querendo te ver, então venha conosco.

— Eu estava planejando sair para procurar alguma coisa que servisse de parede. Se eu for, o chefe de vocês me arranjaria algo assim?

— Eu não sei, apenas venha com a gente. As ordens dele foram para trazê-lo à força se necessário. Você entendeu, certo?

“Bem, mesmo que você me ameace assim… eu entendo, mas as pessoas normalmente ficam ocupadas no primeiro dia de mudança, sabem? Você entende isso?” 

Depois disso, dois homens com cara de bandidos me agarraram pelo ombro e me arrastaram à força para lá.

— Está bem seco por aqui. Você acha que esse Chefe-san iria me dar um pouco de água se eu pedir?

— Se você não calar sua maldita boca, vou fechar ela à força entendeu!?

“‘Entendeu?’ Bem, eu entendi, mas… sério, aqui é muito seco. Minha garganta já é normalmente seca, sabe?”

Depois de caminhar um pouco, quando achei que os homens imundos tinham me soltado, estávamos na frente da cela do chefe. Ei, ei, ei o que é isso!? Bem quando eu pensava que não haveria nada além de ferro e poeira, embora eu não saiba como eles trouxeram isso pra cá, o homem na minha frente estava sentado em um sofá. Além disso, o quarto atrás dele tinha paredes! Também não sei como eles trouxeram isso, mas o piso era todo feito em madeira, além disso, era bastante espaçoso! O que há com essa sala agradável!?

— Você está curioso sobre isso atrás de mim? — O homem sentado no sofá me fez uma pergunta. 

Eu também estava curioso sobre por que eles colocariam o sofá fora do quarto, mas era verdade que eu estava muito interessado no quarto em si. Atrás do chefe, havia 10 prisioneiros de aparência hedionda em pé e, além disso, outros 30 homens parecidos com subalternos nos cercavam.

— Aquele quarto lá atrás era usado pelo carcereiro anterior. Certa vez, nós fizemos uma rebelião e agora nenhum dos carcereiros fica dentro da prisão e nenhum dos que estão na superfície não se incomodam conosco.

O homem cercado por aqueles brutamontes de aparência durona era muito mais magro, parecendo ser uma pessoa normal. Esse era o chefe? A impressão deixada por ele não condizia, mas, novamente, também era verídico que não se deve julgar um livro pela capa.

— Número 136, você é o nobre chamado Kururi Helan-dono, correto?

— Ah, sim, isso mesmo. Talvez tenhamos nos encontramos antes?

— Não, estou sendo o chefe aqui nesta prisão por muitos anos. Meu nome é Doulas, eu era o espião de outro país, mas fui apanhado e estou aqui desde então. Ouvi falar sobre você de uma outra pessoa.

— De uma outra pessoa?

— Sim, de uma outra pessoa. Nesta prisão, nós prisioneiros somos autônomos, existindo algumas regras especiais por aqui. Bem, para simplificar, eu mesmo sou a regra, então uma vez que você esteja aqui, deverá segui-las.

— De uma outra pessoa?

— JÁ CHEGA DISSO! As regras são simples. O status dos recém-chegados é o mais baixo dos baixos. Você só vai receber as sobras de comida, descartar os excrementos, etc, etc. Há muitos empregos na prisão, sabe?

“Parece que as coisas são difíceis para os recém-chegados aqui. Ahh, eu quero ir embora rápido.” 

— No entanto, você é diferente.

— Não me diga, eu vou ser tratado como um VIP!?

Bem, é um pedido de outra pessoa. Eu preciso compensá-los de alguma forma por todas as coisas que eles trazem da superfície até aqui. Indo direto ao ponto, me foi dito para deixá-lo experimentar o inferno, jogando todos os trabalhos para você e outras coisas mais.

— Se for assim, nem precisa daquela coisa toda de “de uma outra pessoa”. Quem lhe deu as ordens foi alguém da família Dartanel, não é? Foi um pedido de Fregen?

— Ah, então você já sabia? Sim, exatamente. Eu vou receber muito por isso, apesar de que será muito difícil para você, infelizmente não tenho outra escolha.

Acho que não havia mais nada para conversar. Em primeiro lugar, eu não tinha a menor intenção de ser tratado como um novato, mas agora, depois de saber que seria tratado ainda pior, não poderia tolerar isso.

— Eu me recuso. Minha intenção era fazer isso de um jeito pacífico, mas agora não quero mais saber de conversa. Por agora, decidi arrancar essas tábuas de madeira e levá-las comigo junto do sofá. Já que vocês vieram com ameaças, então estarei resolvendo isso na base da violência também.

O chefe não conseguia conter o riso após eu ter dito aquilo. Ele realmente parecia uma pessoa normal, então quando ria assim, não era nem um pouco assustador… o que torna isso meio estranho. Talvez ele fosse me dar tudo de boa? Provavelmente não.

A influência da sua família não vale nada aqui, compreende? Você realmente compreende? Ei, alguém faça!

— Então, eu vou. — Um homem visivelmente forte apareceu. 

“‘Faça?’ É o que eu acho que é certo? Vou aceitar o seu desafio então.”

— Hehe, não tem como eu deixar outra pessoa ficar com a parte divertida. Eu amo bater em pirralhos mimados como você.

— Entendo. Bem, eu sou especialista em limpar a cara suja de tipos como você, então vem pro pau.

Caindo na minha provocação barata, ele veio direto para mim. Fico admirado que eles tenham decidido fazer uma briga justa, indo no mano-a-mano, apesar de que assim iria acabar bem rápido…

Ele continuou vindo de novo e de novo. Vendo através de cada um dos golpes, lancei contra-ataques em cada um de seus pontos vitais. Depois de um tempo, quando terminei o meu aquecimento, esmaguei o cara com um golpe lateral. Ele caiu no chão com a boca espumando.

— Tudo bem, já estou aquecido. Venha, o próximo já pode vir!

O chefe assobiou e com um sorriso, enviou os capangas seguintes. Cinco pessoas de uma vez, não é? Bem, não era ruim, eu podia continuar com isso. Apesar de que acabei tomando alguns golpes, continuei batendo um por um. Olhando para todos os homens com espuma saindo pela boca, eu estava impressionado com a precisão dos meus socos. As coisas estavam ficando divertidas, já fazia um bom tempo desde a última vez que pude descarregar o estresse assim.

Pousando meu joelho no queixo do terceiro capanga e após vê-lo desmaiar, senti brevemente que algo estava vindo na minha direção. Meus instintos estavam corretos, o chefe, Doulas, usou um feitiço lançando pilares pontiagudos de água na minha direção. Senti que poderia reagir com facilidade, mas decidi tomar o ataque ao invés disso.

— O quê!?

O chefe parecia estar cansado de diversão e lançou magia, mas agora estava tremendo em choque.

— O que? Quer fazer uma disputa de magia agora? Eu senti um fluxo de mana vindo de você, então pensei que iria usá-la quando estivesse em apuros, mas pensar que o chefe usaria seu trunfo tão cedo. Bem, eu estava planejando usar um dos meus Feitiços também.

— IMPOSSÍVEL! COMO VOCÊ AINDA ESTÁ DE PÉ!? COMO VOCÊ ESTÁ ILESO!? MEU GOLPE O ATINGIU PERFEITAMENTE!

O chefe vacilou um pouco. Bem, era compreensível já que toda a carga do seu feitiço havia me atingido diretamente. Eu poderia ter esquivado com facilidade, mas decidi que o melhor seria levá-lo, considerando a minha constituição física. Apesar de que só aprendi sobre isso dias atrás.

— Bem, ao que parece, magia não funciona em mim. Ou melhor, quando eu recebo o feitiço de alguém, meu próprio poder mágico aumenta explosivamente e eu não sou capaz de segurá-lo, sabe? Veja, já não posso mais mantê-lo dentro de mim.

— IMPOSSÍVEL! DE ONDE VEIO TODA ESSA MANA!? O QUE RAIOS ESTÁ HAVENDO!? 

Como esperado, minha magia cresceu tanto que até se tornou visível e, para esse fato, o Chefe não pôde deixar de ficar chocado. Ele pode ser o chefe por tanto tempo, provavelmente porque era um poderoso Feiticeiro e como tal, já que estou muito acima dele, eu seria o novo Chefe. Na verdade, eu não queria o seu posto ou qualquer coisa assim, mas o sofá e as tábuas de madeira eram os meus objetivos, então se me tornasse o chefe possivelmente poderia obtê-los.

— Oh vento, saia! Erga todo esse lixo barulhento e jogue-os nessa cela escura mais uma vez!

Usando uma quantidade massiva de mana, mas ainda possuindo toneladas disso sobrando, conjurei um enorme feitiço de vento. Um tornado subiu ao meu redor e engoliu as quarenta pessoas aqui, jogando-as para cima e, em seguida, mudando de direção, chocando-as contra o solo. Gritos de dor soaram por toda parte, não havendo mais ninguém que pudesse suportar… exceto o chefe.

— Não é de se estranhar que você fosse o Chefe, conseguiu até mesmo evitar de ser engolido pela minha magia. Perfeito, irei cuidar de você pessoalmente.

— PA-PARE! EU TENHO A FAMÍLIA DARTANEL ME APOIANDO! VOCÊ ESTÁ BEM COM ISSO!? COMPREENDE O QUE PODE ACONTECER!? 

— Claro que estou bem ciente. Afinal, já estou em guerra com a família Dartanel.

— OWAWAWAAA!? PARE POR FAVOR!! EU VOU CAIR MORTO SE VOCÊ ME BATER COM ISSO!

Concentrei toda a magia que estava dentro de mim em um único ponto. Mudando o seu atributo para o elemento fogo, envolvi tudo ao redor da minha mão direita e bati na cara do Doulas, que logo saiu voando com o golpe. Ele provavelmente não seria capaz de viver normalmente por um bom tempo agora. Além disso, desculpe, mas a partir de hoje, eu sou o chefe aqui.

 


Tradutor: Rudeus Greyrat | Revisor: Ma-chan


Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde

por 5 segundos, assim estará apoiando o tradutor e a equipe de revisores!



Fontes
Cores