TER – Capítulo 152 – Solas


Nós logo usamos uma magia de cura em Solas, que ainda estava caído no chão incapaz de se levantar. Ele perdeu um braço e uma perna; seus ferimentos eram sérios demais para uma simples cura salvá-lo, mas não nos importamos. Tudo o que precisávamos era que ele parasse de sangrar, assim poderíamos questioná-lo.

— …

Sua expressão permaneceu constante por todo o processo. Ou seja, ele apenas continuou a encarar na direção de Fran.

— Primeiro. Desative o Bloquear Avaliação.

— O quê?

— Se fazendo de bobo. Inútil.

— … entendo. Então você deve ter Avaliação.

— Nn.

— E se eu falar não?

Sua expressão estava repleta de um tipo de força, uma que me deixou confuso pensando se ele estava tentando negociar ou apenas nos desafiar. De qualquer forma, não nos importamos. Estávamos planejando negociar com ele desde o início.

O que precisávamos fazer era descobrir que habilidade ele estava usando em nós.

— Vou continuar atacando, mas não te matarei. Posso usar magia de cura, não permitirei suicídio.

— …

A falta de expressões de Fran era excelente em momentos como este. Isso a fazia soar completamente séria… mas não era como se não estivéssemos dispostos a ir muito longe.

Solas parecia ter sentido isso, já que seus olhos na mesma hora começaram a expressar medo.

— … você vai pelo menos me deixar viver, não é?

Senti algo mais uma vez no momento que ele falou de forma questionadora. A sensação que tive daquela vez, contudo, ela foi um pouco diferente do normal. Ela estava muito mais clara. Eu pude dizer imediatamente que Solas fez algo conosco.

A sensação era muito semelhante a ter alguém esfregando minha lâmina, era algo impossível para eu ignorar.

Tive total certeza que a Percepção de Malícia, Detecção de Crise, Detecção de Magia e Detecção de Presença estavam todas trabalhando em conjunto para me permitir sentir que ele usou uma habilidade em nós.

“Fran, você sentiu algo agora?”

— ?

“E quanto a você Urushi?”

Au?”

Nenhum dos dois podia sentir nada. Por que eu era o único capaz de perceber isto? Meu palpite era que isso se devia a minha habilidade Feitiçaria, pois ela me deixava melhor na percepção de energia mágica e o fluxo dela. Se esse fosse o caso, acho que isso só indicava que eu era melhor para reconhecer habilidades relacionadas a magia, da mesma forma que Fran era melhor em perceber coisas que envolviam seus cinco sentidos.

“Algo feito a nós?”

“Acho que sim.”

— Nn.

Fran concordou e me enfiou nas costas de Solas.

— Giiiiiiihhhh!

Foi uma estocada bem mirada. Eu passei direto por seus pulmões. Se Solas fosse uma pessoa comum, ele provavelmente estaria morto. Por ele ser um aventureiro, isso só prolongou sua dor. O fato de que ele não era fraco não o permitiu nem mesmo desmaiar. Ele foi forçado a suportar uma exorbitante quantidade de dor enquanto sangue escapava de seus lábios.

— Hiiigiiiigigiiiiiihh!

— Cura Intermediária.

— Ugh…

Ser curado fez Solas entrar em desespero. Só então ele percebeu quão longe ela estava disposta a chegar.

— Não permitirei nenhuma ação até Bloquear Avaliação ser desativado.

Rrrrr.

— Ha… ha…

Não podia dizer se era porque ele começou a ficar assustado ou se era por termos o esfaqueado no pulmão, mas a respiração de Solas ficou muito irregular. Ele não se incomodou mais em tentar nos enganar. Ele não retirou seu olhar de Fran, mas lágrimas se acumularam em seus olhos.

— Eu-eu entendi, eu entendi! Vou desativar a habilidade. Ela está em um dos meus equipamentos, então você terá que me deixar tirá-lo! Só me dê um segundo!

Ele levou sua mão para sua frente e mordeu seu anel em uma tentativa de tirá-lo. Ao que parecia, isso era o que estava nos impedindo de avalia-lo.

Ó, é verdade, nós cortamos um de seus braços, então ele não pode retira-lo com facilidade, pode?

Mesmo assim, o anel se recusou a mexer, o que fazia sentido. Anéis são assim mesmo. Eles ficam presos se você ganhar só um pouquinho de peso.

— Haa… mmmphhh…

Contudo, Fran não era o que você poderia chamar de paciente. Vendo ele brigando com o anel só serviu para irrita-la.

— Chega.

— Whagyaaa!!

Solas ergueu sua cabeça com um olhar estúpido em seu rosto em resposta as palavras delas, só para perder seu dedo na mesma hora. Fran terminou tudo de forma rápida ao cortar o dedo fora antes que ele tivesse chance de protestar contra as ações dela. O homem naturalmente soltou um grito de dor, mas eu não liguei muito para isso. Eu estava mais focado em admirar a técnica de Fran. Ela conseguiu o separar de seu dedo sem causar o menor dano para o resto de sua mão.

— Cura.

— Hiii hiii!

O único comentário que eu tinha é que era uma vergonha o anel ter se quebrado… mas não é como se tivesse sido por culpa de Fran. Parecia que o anel era do tipo de equipamento descartável. Ele foi feito para quebrar no momento que fosse removido. Mesmo assim, esse ainda era um item muito valioso, vendo como ele impedia pessoas de te avaliarem.

 

Nome: Solas Idade: 33 anos
Raça: Homem-Fera Tribo dos Gatos Vermelhos
Classe: Batedor do Labirinto Level: 34
Condição: Normal
HP: 208 MP: 187
Força Física: 101 Resistência: 98
Agilidade: 187 Inteligência: 111
Mágica: 84 Destreza: 191
HABILIDADES
Assassinato Lv3 ⋯ Atuação Lv6 ⋯ Furtividade Lv6 ⋯ Falsidade Lv5 ⋯ Detecção de Presença Lv3 ⋯ Ações Silenciosas Lv4 ⋯ Técnicas com Adaga Lv3 ⋯ Habilidades com Adaga Lv6 ⋯ Arremesso Lv4 ⋯ Resistência a Veneno Lv3 ⋯ Detecção de Magia Lv2 ⋯ Detecção de Armadilha Lv6 ⋯ Desarmar Armadilha Lv6 ⋯ Manipulação de Vigor
HABILIDADES ÚNICAS
Camaradagem Forçada Lv6
TÍTULOS
Traidor Assassino

 

Hã, ele parecia decentemente forte e os levels de sua habilidade também não são ruins. Na verdade, ele parecia poder ser um rank C se quisesse.

“Ao que parece, ele tem uma habilidade única. Camaradagem Forçada, pelo visto.”

— Camaradagem Forçada? Efeitos?

— Err… isso, certo, sim, é isso! Vou te responder, então abaixe sua espada e faça seu lobo se afastar um pouco!

Rrrrr.

Tá bom, ele precisa mesmo ir direto ao ponto. Não temos tempo para escutar essa conversa fiada sem fim.

— Essa é apenas uma habilidade bem chata que faz as pessoas me verem como um amigo ou companheiro. Ela diminui a guarda do alvo e o faz ter menos dúvidas sobre o que eu faço. Não é nada de especial. Não posso usa-la para fazer as pessoas me tratarem como seu melhor amigo ou amado.

Ah, então é isso. Foi por esse motivo que não suspeitamos dele, ou melhor, foi por isso que pensamos que era apenas imaginação o fato de ele estar agindo de forma suspeita.

— É uma habilidade que perde seus efeitos no momento que você passa a ter fortes dúvidas.

— Usou a habilidade para se infiltrar nos grupos de aventureiros e atacar companheiros?

— Com certeza.

Imaginei que fosse esse o caso. Meu palpite era que ele estava usando armadilha e outras ferramentas em pessoas neste local já por algum tempo.

— Algum outro companheiro?

— Nenhum. Apenas as pessoas que você matou.

“Isso foi mentira.”

— Mentiras. Quantos no total?

Fran me apontou para o rosto de Solas.

— Você… por acaso também tem uma habilidade que detecta mentiras?

— Nn.

— Puxa, eu estava sendo muito cuidadoso com isso também…

Ah, entendi, entendi. Ele tinha Bloquear Avaliação e Camaradagem Forçada. Ele era capaz de se livrar de quase tudo contanto que estivesse atento com qualquer habilidade de detecção de mentiras.

Agora que penso nisso, ele quase sempre falava de forma ambígua. Suas respostas, em sua maior parte, podiam ser interpretadas de formas diferentes. Elas tecnicamente estavam corretas, independente da forma que as interpretávamos. Além disso, Camaradagem Forçada faria com a maioria das pessoas o que ela fez conosco, e ajudaria a tornar essas respostas ambíguas uma prova da inocência dele.

O Princípio da Falsidade foi mesmo uma habilidade bem útil, mas não podemos confiar nela o tempo todo. Precisávamos ser mais cuidadosos com a forma que fazíamos nossas perguntas, senão, arriscaríamos passar por algo parecido com o que enfrentamos. Sendo sincero, aprender isso aqui e agora foi um enorme ganho de nossa parte.

— Duas escolhas. Responder com honestidade agora. Responder honestamente após tortura.

— Tenho mais quatro subordinados!

— Nn.

Fiquei feliz por ele ser tão honesto, porém… é sério? Ele era a pessoa liderando todos os ladrões por todo este tempo?

— Onde?

— … eles devem estar na guilda.

O papel de Solas era encontrar alvos para o resto de sua equipe. Ele normalmente ia atrás de grupos em ascensão, pessoas que estavam ganhando muito dinheiro e se vangloriavam disso. Muito poucos suspeitariam de equipes como essas desaparecendo de repente, considerando como elas tinham uma tendência a agir de forma muito imprudente.

Ele se aproximava desses grupos uma vez por mês, e mesmo assim, seus lacaios não iriam agir em todas as vezes. Eles eram cuidadosos e davam o seu melhor para garantir que não haveria nenhum rumor sobre como os grupos a que Solas se juntou se extinguiram.

Muito bem, acho que temos que fazer Solas nos levar para o resto de seus companheiros. Precisamos nos livrar do resto do lixo, não é?

“Hmmm, quer saber, temos um pequeno problema aqui. Ele sabe muito sobre nossas habilidades. Não tenho certeza se deixa-lo ir será uma ideia muito boa. Ele pode sair por aí contando aos outros sobre nós. O que você acha que devemos fazer?”

“Matar.”

“Hmm… bom, acho que isso também funciona, mas…”

Não conseguiremos muita informação de seus companheiros, mas deve ter algo que só ele, como o chefe, pode dizer. Você sabe, como onde ele armazena sua pilhagem.

“Na verdade, pare aí mesmo. Não o mate ainda. Tem algo que quero tentar.”

Deve ficar tudo bem, contanto que o impeçamos de vazar qualquer coisa sobre nós.

— Não infligirei mais nenhuma dor se me levar para o local.

— Tudo bem, entendido…

— Mas só com uma condição. Vai formar contrato.

— Contrato? Você pode usar magia de contrato?

— Não pode falar nada sobre nós. Vazar informação significa morte. Deve concordar com os termos do contrato.

— Vou aceitar isso!

É, imaginei que ele diria isso. Ele morreria se não o fizesse, entãããão, é isso.

— Então vou criar contrato.


Tradutor:




Fontes
Cores